Especial de terror Parafernalha

Anúncios

Desencanto – Manuel Bandeira


Desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento, de desencanto
Fecha meu livro se por agora
Não tens motivo algum de pranto

Meu verso é sangue, volúpia ardente
Tristeza esparsa, remorso vão
Dói-me nas veias amargo e quente
Cai gota à gota do coração.

E nesses versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre
Deixando um acre sabor na boca

Eu faço versos como quem morre.

A Rua dos Cataventos – O Corvo

Interpretação do  Poema de Mário Quintana feita por O Corvo.

Freckled Sky

Dança maravilhosa realizada no programa America’s Got Talent. Literalmente um espetáculo.

 

#DançaNaChuva #ContosDoCorvo

O Jumento Santo e a Cidade que se Acabou Antes de Começar

Uma divertidíssimo pastiche dirigido por Leo D. e William Paiva. Confiram.

fonte: http://portacurtas.org.br/

De Amor E De Horror

de-amor-e-de-horror

E Agora José?

Simplesmente linda essa interpretação feita por Silvio Matos para o poema do nosso querido Carlos Drummond de Andrade.

“José, e agora?” – Carlos Drummond de Andrade

O Corvo – Edgar Allan Poe

Interpretação de Carlos Fernando, tradução de Fernando Pessoa