Medo

Oras! Meu medo é um cão desacorrentado

Correndo para o horizonte, afugentado.

Meu medo pode também te deixar assustado,

Afinal, quem não temeria morrer abandonado?

 

Ah! Sofro com os desalentos,

Frutos dos maus julgamentos,

Feitos por quem não tem entendimento

Sobre o que causa mais medo: se a chuva ou o vento.

 

Claro! A chuva, afirmo eu.

Foi ela que todo fogo emudeceu,

Foi com ela que Deus o mar encheu,

E foi dela a última água que Cristo bebeu.

 

Hum! Não acreditas no Criador?

Ou o culpa por sua dor?

Talvez tu tenhas perdido algum amor

E culpando Ele alimentou esse rancor

 

Céus! Afirmo-te que Deus existe, porém.

Mas o diabo existe também,

E para escapar dele só fazendo o Bem,

E disso todos sabem.

 

Raios! Já fiz tanta maldade

Que hoje tenho medo de, quando chegar à idade,

E eu estiver sozinho num fim de tarde,

Veja o Diabo e tente fugir feito um covarde.

 

Que Pena! Para minha fuga não haveria vitória

Porque do Diabo não há escapatória,

E o meu medo será parte da sua glória,

Assim será o fim do meu medo e da minha trajetória.

 

B  A   S    T     A      !

  •  fear-and-loneliness1O Corvo

#OCorvo #Medo #Poema #ContosDoCorvo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s