Poema de Sete Faces – Carlos Drummond de Andrade

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.


Resultado de imagem para 7 faces

Anúncios

Congresso Internacional do Medo – Carlos Drummond de Andrade

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte.
Depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas


Resultado de imagem para yellow dying flower art

#Contosdocorvo #Drummond #Congressointernacionaldomedo #Corvo

A Rua dos Cataventos – O Corvo

Interpretação do  Poema de Mário Quintana feita por O Corvo.

Freckled Sky

Dança maravilhosa realizada no programa America’s Got Talent. Literalmente um espetáculo.

 

#DançaNaChuva #ContosDoCorvo

A Rua dos Cataventos – Mário Quintana

Da vez primeira em que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.
Depois, a cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha.

Hoje, dos meu cadáveres eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada.
Arde um toco de Vela amarelada,
Como único bem que me ficou.

Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!
Pois dessa mão avaramente adunca
Não haverão de arrancar a luz sagrada!

Aves da noite! Asas do horror! Voejai!
Que a luz trêmula e triste como um ai,
A luz de um morto não se apaga nunca!

#Quintane-se
99cd0046e14398d1631003e4ea0cf09a

Sentimento Interno

O Jumento Santo e a Cidade que se Acabou Antes de Começar

Uma divertidíssimo pastiche dirigido por Leo D. e William Paiva. Confiram.

fonte: http://portacurtas.org.br/

Conte comigo

Um #Haikai para começar bem o dia.

St Michael Archangel – Guido Reni

Essa linda pintura feita por Guido Reni em 1636 é uma representação (clássica) da batalha ocorrida quando Lúcifer foi expulso do céu. (Segundo a cultura católica)
Essa obra está na Igreja Santa Maria della Concezione, Roma.

guido_reni_031

De Amor E De Horror

de-amor-e-de-horror